Pets e Imigração: Como levar seu animal de estimação para o Canadá

Conheça as regras e medidas necessárias para o transporte internacional de animais domésticos.

Os nossos pets são parte importante da família. Ao lado deles, passamos momentos memoráveis de nossas vidas e aprendemos muito. E, claro, na hora de imigrar, os animais de estimação podem e devem ser incluídos nos planos de mudança – especialmente quando falamos do Canadá, um dos países mais pet-friendly do mundo.

Visando a segurança e o conforto tanto dos pets quanto das pessoas, o governo canadense instituiu uma série de regras e regulamentações para a entrada e permanência de animais de estimação no país. Além disso, existem também as regras instituídas pelas companhias aéreas para o transporte dos animais. Essa semana, a One Immigration te explica como levar e manter o seu bichinho com você no Canadá.

Documentação Animal

Assim como os passageiros humanos, os pets também precisam de documentação para viajar. No trânsito para o Canadá, é necessário que o dono apresente os seguintes documentos:

  • Carteira de Vacinação: em inglês e francês, emitida por um veterinário certificado pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV). Além das certificações de vacina com data, esse documento também deve trazer todas as informações de identificação do animal (nome, gênero, raça, cor e peso médio).
  • Certificado Zoosanitário Internacional (CZI):  esse documento é emitido pelo Ministério da Agricultura e é emitido por veterinários de aeroportos internacionais. É necessário agendar uma consulta e apresentar a carteira de vacinação e um atestado sanitário para conseguir a CZI.

Esses são os únicos documentos solicitados para a entrada do seu bichinho no Canadá. Ao contrário de diversos outros países, os aeroportos canadenses não solicitam processo de quarentena, nem o uso de microchip ou tatuagem de identificação no animal, caso o seu pet seja de uma espécie considerada usual (como cães e gatos); caso seu pet seja de outra espécie, é necessário conferir as regras específicas para evitar problemas. 

Regras de voo

Uma vez com os documentos na mão, é hora de embarcar. A maioria das companhias aéreas aceita transportar animais de estimação sob condições pré estabelecidas. Os procedimentos e regras variam de companhia para companhia, e são especificados no momento da reserva do bilhete aéreo. Apesar das variações, é convenção entre a maioria das companhias que, para embarcar o pet, é necessário que:

  1. o seu pet seja registrado na reserva da passagem, de acordo com as especificações da companhia, que levam em conta o peso e o tamanho do animal. É importante que esse registro seja feito no ato da compra da passagem ou com o máximo de antecedência possível;
  2. o seu pet esteja condicionado de forma adequada, na caixa de transporte com identificação do dono, independentemente se ele irá na cabine ou no porão do avião; 
  3. você chegue ao balcão de check-in com pelo menos meia hora de antecedência do fechamento para o seu voo;
  4. o seu pet tenha pelo menos 12 semanas de idade e que esteja com a saúde e as vacinas em dia; o cartão de vacinação e histórico médico do animal poderão ser cobrados na hora do embarque.

Em muitas situações, os pets podem viajar na cabine com o dono, registrados como bagagem de mão; para isso, o animal não pode ter mais de 10 kg e, nesses casos, as companhias não costumam cobrar taxas extras pelo transporte. Caso seu bichinho seja maior, ele deverá viajar no porão do avião, e será cobrada uma taxa extra pelo transporte. Em situações como essa, também deve-se observar a época da viagem: diversas companhias não transportam animais no porão durante os meses de inverno devido às baixas temperaturas, que podem fazer mal ao pet.

Desembarcamos. E agora?

Ao desembarcar, o seu pet irá passar por uma inspeção, realizada pela Canada Border Services Agency (CBSA). Essa inspeção consiste em avaliação da saúde aparente do animal e em conferência de documentos, e tem o custo de 30 CAD, além de possíveis taxas. 

Uma vez fora do aeroporto, é necessário que você regularize a situação do seu pet o mais rápido possível. No Canadá, é obrigatório que todo pet tenha uma licença, que ajuda em casos de perda do animal ou de irresponsabilidades no convívio social. Essa licença custa entre 25 e 60 CAD, variando de acordo com as características do animal e do tutor, e o registro para ela é feito online, através do site oficial do governo da cidade. Caso o seu animal seja pego sem a medalha da licença na coleira, a multa mínima é de 240 CAD.

Vida de pet no Canadá

O Canadá é constantemente lembrado por ser um país pet-friendly,  que aceita os animais de braços abertos. Dessa forma, as cidades canadenses possuem políticas especiais que favorecem a convivência dos pets na sociedade, permitindo por exemplo que os bichinhos possam andar no transporte público (fora dos horários de pico) e frequentar a maioria dos estabelecimentos comerciais (exceto restaurantes).

Além de políticas específicas, as cidades canadenses também possuem espaços específicos, como os parques de cachorro, onde os pets podem estar sem coleira e brincar livremente. Existem, contudo, regras para a frequentação desses espaços, como a obrigação de limpar quaisquer sujeiras deixadas pelo pet, entre outras, às quais deve-se sempre estar atento.

Os eventos para pets também são comuns no Canadá – principalmente em Toronto. Alguns deles são:

  • Woofstock: festival para cães e amantes;
  • Slooberfest: festival que acontece em Toronto, mas em muitas cidades do mundo e possui um desfile, distribuí sorvete para os pets  e traz competições entre os animais;
  • Clip Truck: conhecido serviço móvel para vacinar os cães e gatos. 

      

Apesar de as regras variarem de um local para o outro, a fonte de inspiração para elas é a mesma em todos os lugares. Assim, é importante estar sempre atento às necessidades do seu animal e às regras vigentes para o seu bem-estar e principalmente, do seu pet.

Para mais dicas sobre imigração para o Canadá, siga a One Immigration nas redes sociais